Retratanto #01

Como disse, vou colocar um pouco do que faço conforme os trabalhos forem saindo. Nem todos os trabalhos entram no portfólio, não necessariamente por que não goste deles, mas por uma questão de coerência na hora de unir as imagens que coloco lá.

Colocarei nessa “sessão” alguns dos trabalhos que fiz em julho e começo de agosto:

Revista VIP:

Conheci e fotografei a oficina onde trabalha a Thais Roland, uma restauradora de carros que, acredito eu, tenha a mesma paixão pelo aquilo que faz como eu tenho! Foi super legal conhecer esse universo e fotografar  quem a própria revista rotulou como “A Monalisa da oficina”:

Revista Pequenas Empresas Grandes Negócios:

Agora para essa edição de Agosto, fotografei o Diego Gonzales, do Sofá Café, um Café incrível em Pinheiros.

Revista de bordo da AZUL:

No começo de maio ainda, fui pautado para fazer uma foto para a revista da Azul de agosto, com o tema dia dos pais. Eis que me enviaram para fotografar o piloto Silvio Faccio e seus trigêmeos. Ele e a mulher dele, segundo ele mesmo, mais a mulher que ele, são heróis. Os três são pestes! Mas deu certo e a foto retrata bem a animação constante das crianças. Confesso que não é um tipo de foto que eu ame fazer, mas essa certamente foi bem divertida. 

Revista de bordo da GOL

Todas as vezes, por coincidência, a revista da GOL me enviava para Rio de Janeiro fotografar, dessa vez foi diferente, fui ao centro de SP e conheci as meninas da Selvvva. Lugar sensacional e astral mais legal ainda. 

Revista Carbono Uomo:

Minha “estréia” na revista e já me passaram duas pautas. Completamente diferentes uma da outra, mas mesmo assim, as duas bem legais. Primeira missão, fotografar um executivo do mercado financeiro. 

Alguns dias depois, foi a vez de fotografar o diretor de criação da Cotton Project, Rafael Varandas em um skate park. Chegando lá, não deixaram fotografarmos no local, então tivemos que improvisar e dar voltas até encontrar algo que fosse esteticamente legal para fazer um bom retrato. Acabamos fazendo vários.


Vou continuar postando os trabalhos conforme forem saindo, assim não preciso fazer um post tão grande por aqui…


Edição de imagens

Nem sempre as pessoas sabem, mas quem escolhe as fotos que serão estampadas em uma revista, na grande maioria das vezes (salvo raríssimas excessões) são os diretores de arte.

Um diretor de arte é um dos responsáveis, juntamente com os designers, por fazer a arte das matérias, decidir qual fotógrafo vai para qual pauta, pensar em como cada foto deve ser feita (pelo menos uma idéia) - alguns inclusive, já falam até a pose que querem a foto (particularmente não gosto disso) - enfim, é a pessoa que resolve (praticamente) sozinha toda a parte gráfica da revista.

Eu sempre sugiro, para a pessoa que está entrando no mercado editorial, que procure o diretor de arte que acredita no seu trabalho e tente ao máximo mostrar todo seu potencial para ele. Diretores de arte são uma comunidade secreta que convive junto e se conhecem (mesmo de editoras diferentes) e costumam indicar fotógrafos uns aos outros.

Um diretor de arte bom pode (na minha opinião) tanto elevar quando diminuir o impacto de uma foto. Digo isso no sentido que, dependendo da arte que ele fizer, sua foto fodona pode acabar parecendo horrorosa e uma foto não tão boa, pode parecer boa por causa da arte e contexto em que foi inserida. 

Como disse anteriormente, o diretor de arte é quem decide quais fotos entrarão em uma matéria ou não. Então funciona assim: ele(a) me envia um email com a pauta que devo fotografar, eu vou, faço as fotos e depois faço uma pré-seleção do que eu mais gostei e envio em baixa resolução para ele(a). Essa é a parte mais crítica do trabalho, pois, NUNCA mande o que você não acha que seja bom para o diretor de arte.  Cada pessoa tem um gosto diferente, e, o que não é bom para você pode ser bom para ele e vice-versa. Feito isso ele seleciona e me solicita em alta resolução as imagens que vai usar na matéria.

Acima uma matéria que fiz para a revista Sexy no ano passado. Abaixo, as outras fotos que foram enviadas para o diretor de arte. Gosto muito do resultado final, e, apesar de eu gostar muito da foto do Nando Reis sentado a mesa, entendo que a opção dele no vidro tenha sido melhor para a pauta. E fotografia editorial é isso, desapego e surpresas. Muitas e na maior parte das vezes, boas, e algumas vezes não tanto.


Café Kurubi

Acho que vai ser interessante se eu mostrar aqui um pouco do meu trabalho no dia a dia também. 

Apesar de minha preferência ser por fazer retratos, nem só de retratos eu vivo. Faço fotos publicitárias também.

Esse job, foi para a agência Espinafre, que precisava de um banco de imagens da produção de café da marca Café Kurubi. Fomos então imersos na cultura do café por 2 dias acompanhando todos os processos. 

Foi incrível conhecer essas pessoas que vivem disso. E, apesar de ser um trabalho sofrido, o fazem com muito carinho e determinação de fazer bem feito. 

Seguem abaixo algumas das imagens feitas.



Projetos autorais

Alguns dias atrás um amigo me pediu para tomar um café com ele. Como fotógrafo iniciante, começou a me questionar sobre o mercado de fotografia. Todas as angústias que um fotógrafo iniciante tem. 

(Inclusive, importante falar, este é o único motivo pelo qual escrevo aqui, para tentar diminuir a angústia de quem está começando.)

Ele me disse que já estava fotografando o suficiente para realizar alguns trabalhos, porém não sabia como conseguir mais clientes, divulgar-se e ainda por cima estudar. E tinha que fazer ao mesmo tempo. 

Assim como eu, ele é um fotógrafo que começou tarde na profissão e não tem o tempo que a fotografia demanda para você entrar no mercado com segurança (como assistente fixo de algum grande fotógrafo). Ele precisa estudar, divulgar o trabalho e ainda sustentar a si e a família.

Como tudo que falo aqui, na minha experiência e opinião, projetos autorais são a melhor saída.

Comecei na fotografia fazendo ensaios sensuais para mulheres comuns. Apesar de ser um campo bem interessante (era muito mais em 2008, acredite!) a procura é muito sazonal. E eu precisava sobreviver. Entrei na fotografia para fugir da minha antiga profissão, a publicidade. Logo quando percebi que não daria para viver da fotografia sensual, apelei para o mercado que eu já conhecia. Pensei, como conheço diversas pessoas na área, quem sabe bato um papo com velhos amigos e começo a fotografar para agências de publicidade.

Apesar de na época eu já ter aproximadamente 1 ano de fotografia e achar que já entendia o suficiente para fotografar uma campanha, eu não tinha absolutamente nenhuma foto para portfólio. Aliás, só tinha foto de mulheres nuas no meu portfólio.

Já conhecia fotografia de retrato e na minha inocência achava que se tivesse vários retratos eu fotografaria para qualquer campanha publicitária. Eu gostava de retratos, e não sabia direito sobre o mercado editorial ainda, porém, o mais importante é, eu já tinha um foco: fotografar pessoas.

Andressa Biata

Fernanda Dias

Samadhi Vincki

Léo Ramos

Felippe Pipeta

Rafaela Capone

Aline Souza

Georgia Novaes

Conheci em 2010, através da internet, o projeto de um fotógrafo novaiorquino que fotografava uma pessoa por dia. As pessoas se inscreviam no site dele e ele fotografava em um dia e postava no dia seguinte. Vi ali a solução para meu problema de portfólio. Entrei em contato com ele, expliquei que queria praticamente copiar o projeto dele porém aqui no Brasil. Ele me respondeu, não só dizendo que sim, como me apoiando. Só me pediu para utilizar outro nome. E assim nasceu o Retratoria.

Durante o ano de 2011, fiz uma foto por dia. Exceto algumas poucas vezes a grande maioria das fotos foram tiradas de um dia para o outro. 

O Retratoria serviu para me ensinar a fotografar, a lidar com as pessoas, me ensinou a ter jogo de cintura em situações apertadas que as vezes a fotografia nos coloca, enfim me ensinou a ser fotógrafo. 

Diego Moraes

Fred Leidl

Guto Ferraro

Henrique Torres

Isabela Pelegrini

Liza Menzl

Priscila Ferrari

Marcela Marin

Pelo fato de ser um projeto inusitado, gerou mídia espontânea tanto para o projeto quanto para minha fotografia e isso me gerou mais trabalhos e reconhecimento. E pelo fato de ser um projeto diário, e eu nunca saber o que iria encontrar, estava todos os dias estudando. Mesmo as vezes sem saber estava estudando iluminação artificial, luz natural, direção de modelos, etc.

Aconselho então, que sempre tenham projetos autorais. Criem metas para o projeto, foquem em coisas que gostem de fotografar ou que possam lhe trazer público ou estudo de alguma forma. Eu tento sempre manter um projeto autoral em curso. Atualmente estou com o Girlzplayground (desde 2013), e antes dele tive outros. Projetos e séries. 

Acho que vou precisar de outro post para falar mais sobre projetos… 


Using Format